Voltar
ao topo
Crônicas

Dia das Mães

"Sua mãe não é nenhuma Sharon Stone?

    Mesmo assim ela abriu as pernas por você!

    Nesse dia tão especial,

    Encha a sacola da mamãe no Super Center!"

What a helll????? Não podia estar ouvindo aquilo! Tudo bem que os homens de sua vida eram uns idiotas, mas seu chefe conseguia ser insuperável. Só faltava ser canalha... Não era possível que alguém, em sã consciência, tivesse a audácia de produzir um texto daquele, mesmo sendo chefe... Ele não devia ter mãe...

Até pensar algo próximo, vá lá; poderia enterrar no hall das anedotas de mau gosto ou das 100 coisas que você jamais deveria criar antes de morrer... Mas, calma aí: um ser humano colocar a idéia como pretensa arte final e apresentá-la na reunião entre os departamentos de criação e planejamento da empresa, e ainda desenrolar um sorriso meio maroto, meio "So sorry for you, I`m a genius" de orgulho, e compaixão pelos presentes, ao julgar-se tão absolutamente superior com sua Sharon Stone de pernas abertas?....

"Pelo amor de seus filhinhos!!" é a única réplica cabível, tão idiota quanto, que se alinharia ao nível de indignação de Pussy Jane Allsteam: uma reles publicitária, funcionária, que sonhava, um dia, ser escritora. E nem precisava ser publicitária para repudiar a proposta do tal anúncio; bastava ter mãe para nunca mais querer pisar na droga do Super Center!

Ainda bem que a imagem do anúncio, que o chefe já havia visualizado em formato página dupla de revista, por algum motivo sábio da mãe Tecnologia, não abriu... A equipe teve que se contentar em deleitar-se com as frases de efeito declaradas pelo próprio autor. Pussy Jane já imaginou a própria mãe vestida de Sharon Stone em " O instinto Selvagem ", com as pernas abertas, parindo...

Não deu para identificar a primeira impressão que o anúncio causara aos demais; afinal, cumprindo com o protocolo, desenrolaram, em respeito ao chefe, um sorriso. Tudo bem, os outros poderiam até achar graça na piada que não era piada, já que era função de Pussy Jane aprovar o texto. Tinha sobrado mesmo para ela e para o cara da diagramação final, que praticamente assinaria a concepção...

"Sua mãe não é nenhuma Sharon Stone, mas ela abriu as pernas por você..."

Será que o chefe tinha esposa? Quem abriria as pernas por um cara desse?? Nem a mãe, literalmente falando! Quem pariria um filho com uma mente brilhante daquela? Era por essas e outras que Pussy Jane jamais seria mãe. Imagine a mãe do sujeito, uma senhora, lendo o troço? E a esposa então, a mãe de seus filhos?? Quem se casaria com um idiota daquele???

Pussy Jane até tentou olhar para o cara que seria o responsável pela diagramação final, pelo menos para ver se conseguia um cúmplice que dividisse a mesma aflição por ter que atestar a ideia mirabulosa do chefe como genial... O diagramador parecia um cara de bom senso... Tomara tivesse mãe...

Olhando dali, daquele angulo, ele parecia tão interessante... Será que tinha esposa ou namorada?... Tomara tivesse mãe, mas não namorada... Bom, às vezes é bom não ter nem uma, nem outra...

Ah, Pussy Jane, tenha dó! O cara nem era tão interessante. É que estava quase na cabeceira da mesa, quase parecendo chefe... Aí, minha querida, é fácil!

Descobriu porque a esposa do chefe bancou a Sharon Stone? Fisgou o cara da cabeceira da mesa, o cara que paga as contas. Pussy Jane, meu bem, ponha o diagramador no seu devido lugar, ele nem vai parecer tão atraente assim...

Por que diabos o mundo tinha que ser movido pelo capitalismo gutural endinheirado e machista? Se uma mulher estivesse na cabeceira da mesa, jamais iria tentar vender a ideia da mãe com as pernas abertas em plena data comemorativa!! E quer saber: o diagramador podia até ser interessante, mas era um babaca! Se fosse homem de verdade teria levantado da mesa antes de imaginar a própria mãe vestida de Sharon Stone. Ele nem moveu a cabeça! Ou tinha achado a ideia o máximo, ou era um frouxo!

Ou simplesmente não queria olhar para Pussy Jane, que estava bem à sua frente... Será? Será que nem mesmo um idiota qualquer, que nem se senta na cabeceira da mesa, teria o mínimo interesse em olhar pra ela? Será que preferia imaginar a mãe parindo, vestida de Sharon Stone??? Publicitários, que raça!!! A mãe que o parisse então! E a reunião terminou assim mesmo...